VIDA SOBREHUMANA No. 11


PORQUE NÃO NASCER COM ELA?


Por Ernest O'Neill

Nós temos discutido durante estes últimos meses, um tipo de vida sobrenatural que tem emergido em indivíduos através dos séculos. Pessoas que a experimentam são capazes de fazer a matéria se alterar – rochas tem se partido para derramar água para homens morrendo de sede; mães tem visto seus filhos se erguerem dos mortos; um homem no primeiro século de nossa era realmente morreu e então voltou à vida por mais de um mês; seguidores dEle fizeram aleijados congênitos voltarem a caminhar. Mas os efeitos mais benéficos desta vida sobrenatural, através da história, tem sido seu poder de alterar os centros motivacionais de indivíduos que estão afundados em depressão ou preocupação ou ressentimento ou ganância. Esta força de vida é capaz de reordenar toda a série de reações que são forjadas na personalidade através dos anos, de forma que a pessoa é libertada para começar a vida novamente.

Porque nós não nascemos com esta vida sobrenatural ? Como nós começamos a ter apenas a vida humana com todas as suas limitações ?

Na verdade, nós nascemos com todo o potencial para viver esta vida sobrenatural. É a verdadeira força de vida do Ser Supremo que criou todo o universo. Jesus de Nazaré explicou que é o mesmo Espírito de Seu Pai, o Deus de toda a criação. Eles vivem em perfeita alegria Um com o Outro, em um estado atemporal e sem limites de puro amor. Por causa desse amor que sempre quer dar e repartir, Deus resolveu criar outros seres que pudessem apreciar o amor que Ele compartilhava com Seu Filho. Jesus, neste estado pré-existente, explicou este diálogo anterior à criação a um homem chamado Moisés, há cerca de 3500 anos, com estas palavras: “E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança” (Gênesis 1:26). A razão pela qual você foi feito por Deus à semelhança dEle, foi precisamente para um grande propósito, de forma que você pudesse apreciar o relacionamento de amor que Ele tinha com Seu Filho Jesus. Mesmo em nosso estado deteriorado aqui na Terra, a experiência mais valiosa e menos tediosa que conhecemos é o sincero amor altruísta de outra pessoa. Mas este tipo de amor é possível somente em pessoas que tem as mesmas capacidades.

Por exemplo: você pode se divertir jogando uma bola para seu cachorro ir buscar. Ele vai até mesmo gostar de você fazer cócegas na barriga dele. Mas experimente falar para ele o seu ponto de vista sobre AIDS ou economia mundial – e você vai saber que seu relacionamento é bem limitado. Então o nosso Criador nos fez como Ele próprio e Seu Filho. Ele explicou exatamente o que isto requeria, e assim Moisés escreveu por inspiração divina. Obviamente a humanidade estava em sua infância naquela época da história terrestre, então Deus explicou as leis em termos infantis que os homens iriam entender naquele momento. “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra” (Gênesis 2:7). Primeiro o Criador fez o seu corpo a partir do pó. Isto vai de acordo com nossa experiência da morte, quando o corpo retorna ao pó depois de ser enterrado ou cremado. Você provavelmente percebeu que quando você olhou para o rosto de alguém querido em um caixão, que aquele corpo não é mais seu pai ou sua mãe – eles deixaram o corpo e tudo que restou foram alguns quilos de elementos químicos que irão se deteriorar rapidamente em pó. Mas Deus nos deu um corpo para que pudéssemos nos manifestar uns aos outros da mesma maneira que Ele se manifesta. Nosso corpo se torna perceptível aos sentidos que conhecemos como audição, visão, etc...

 “E soprou em suas narinas o fôlego da vida” (Gênesis 2:7). Esta é uma maneira bem simples de descrever o Criador nos dando Sua própria vida não-criada – que nós temos chamado de “vida sobrenatural”. É designada pela palavra Hebraica “ruah”, que significa “vento” ou “espírito” e contém tudo que faz Deus ser o que é em Sua essência. Ela inclui todos os Seus poderes para controlar as energias do mundo criado e para liberar as energias da vida não-criada, mas é uma vida invisível que é acionada pela nossa fé ou crença de que nós a temos.

 “E o homem foi feito alma vivente” (Gênesis 2:7). Esta vida não-criada de Deus se combinou com o corpo físico para produzir um terceiro nível intermediário de vida, chamado de “alma”. A palavra Hebraica é “nephesh”, mas o significado atual é encontrado na palavra Grega “psuche”, que se torna “psique” em Português. Esta é a entidade que nos faz, homens e mulheres, únicos – nós temos uma existência psicológica que nos distingue dos animais em um lado e dos anjos em outro.

Entretanto, todas estas capacidades teriam falhado completamente em nos qualificar para ter amizade com nosso Criador, se não fosse por um fator adicional essencial. Você não pode amar a menos que seja livre para NÃO amar. Sem o livre arbítrio, o amor não é possível ! O próprio Deus é um Ser auto-determinante: Ele pode apreciar apenas o amor de outros seres auto-determinantes que O amam porque querem – e não porque eles não podem fazer mais nada. Se Deus quisesse macacos adestrados, então Ele não precisaria adicionar nada às capacidades que ressaltamos. Mas Ele quis amizade com outros seres que eram como Ele próprio. É por isso que Ele nos deu livre arbítrio.

Ele descreve isto novamente em termos infantis que os primeiros homens poderiam entender. Entretanto, nós podemos afirmar isso direta e suscintamente. A sua alma – a sua parte psicológica – pode escolher depender tanto do corpo físico quanto do espírito não-criado. Você pode viver de dentro para fora ou de fora para dentro. O Criador colocou dessa forma para Moisés: “E o Senhor Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida; e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore do conhecimento do bem e do mal. .... E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gênesis 2:9,17).

Então nós FOMOS criados com vida sobrenatural dentro, MAS tivemos que escolher se deixaríamos ela controlar nossa vida mental, emocional e poder de decisão, ou se deixaríamos o senso de certo e errado do nosso corpo físico controlar nossa vida psicológica. Vamos ver no próximo artigo o que nossos antepassados fizeram e que efeito estas decisões tem tido em você na sua vida atual.

Leia Vida Sobrehumana No. 12
Retornar ao documento anterior
Retornar para o Índice
Retornar para a página principal